SEARA DA CIÊNCIA


BIOLOGIA

Criando borboletas

Objetivo

Fazer uma pequena criação de borboletas observando e registrando os vários estágios de seu desenvolvimento.


Descrição

Borboletas são insetos de grande beleza, fáceis de obter e com ciclo de vida muito interessante que passa por uma fase de lagarta. Elas têm 6 patinhas, 4 asas e 2 antenas.
Essa experiência leva vários dias para ser realizada, portanto, para fazê-la você precisará dispor de muita antecipação antes da Feira. Nela, você fará umas pequena criação de borboletas, registrando todo o processo de transformação com anotações, fotos e medidas de tempo. Tudo será exibido em seu estande na Feira juntamente com alguns espécimens e parte do material que usou.


Material

Tela plástica ou véu.
Palitos de churrasco.
Régua.
Tesoura.
Agulha e linha.
Cola.
Lagartinhas (ver Procedimento).
Caderno de anotações.
Catálogo de insetos (pode ser obtido na internet).
Luvas.
Saco de papel (por ex., sacos de pão ou pipoca).
Câmera fotográfica (opcional).


Procedimento

Construa algumas gaiolas usando os palitos de churrasco e a tela. Cada gaiola pode medir 20x20x20 cm ou coisa parecida. Use a tesoura, a agulha e a linha para fixar a tela na armação da gaiola.

Procure espécimens de lagartas em algum campo, parque, sítio ou quintal próximo onde existam árvores e arbustos. Procure nas folhas, observando as que apresentam marcas de mordidas.
Quando encontrar uma lagarta anote sua cor, seu tamanho e suas características próprias. Se tiver uma câmera, fotografe-a no local. Se não, faça um desenho cuidadoso dela - é assim que os naturalistas trabalham. Anote também o tipo de planta onde achou a lagarta. Retire algumas folhas frescas dessa planta para alimentar sua lagarta durante a experiência. É provável que você precise voltar depois para obter mais folhas.
Apanhe a lagarta usando um saco de papel suficientemente grande para contê-la com folga, junto com o galho e as folhas onde ela foi encontrada. Feche o saco contendo o galho, as folhas e a lagarta com um cordão e leve tudo para seu laboratório. Repita esse procedimento para várias lagartas, se possível diferentes.

Olhe o interior dos sacos nos dias seguintes. Observe se as folhas foram comidas e providencie mais folhas frescas do mesmo tipo, quando necessário. Você vai repetir essa tarefa durante vários dias.

Até que um dia você vai ver que sua lagarta começou a construir um casulo parecido com uma noz. Esse casulo é conhecido como "crisálida". Anote suas observações sobre esse processo de encasulamento e fotografe ou faça um desenho do que está vendo. Quando o casulo estiver completo, quebre o galho ou ramo ao qual ele está grudado e transfira-o para a pequena gaiola que você construiu.
Coloque a gaiola fora de casa em um local parecido com aquele onde achou a lagarta - ou no próprio local, se ele for acessível com facilidade. Depois de alguns dias, a borboleta sairá do casulo. Tire mais fotos pois esse é o momento mais glorioso de sua experiência, quando a borboleta surge em toda sua beleza. Depois da sessão de fotos, solte sua borboleta imediatamente se não ela irá se ferir ao se chocar com as paredes da gaiola. De preferência, solte-a no local onde achou a lagarta.

Fotos feitas pelo Prof. Marcus Vale, da Seara da Ciência da UFC


Análise

Borboletas são insetos da ordem dos lepidópteros. Suas vidas passam por 4 estágios: ovo, larva, pupa e imago (a borboleta adulta). Se conseguir fotos dos ovos nas folhas, além dos descritos acima, você terá registrado todos os estágios da vida de uma borboleta.
São conhecidas mais de 200.000 espécies de borboletas. As fêmeas, depois de fecundadas pelos machos, pôem seus ovos nas folhas de algumas plantas. Após alguns dias, desses ovos surgem as lagartas que são comedoras vorazes. Começam logo comendo as cascas dos ovos de onde vieram e logo passam a comer as folhas. Depois de trocar de pele várias vezes, a lagarta se encerra no casulo, onde se transforma em borboleta. O processo todo é chamado de "metamorfose".


Dicas

Tenha cuidado ao manusear as lagartas e as borboletas pois elas são seres frágeis e vulneráveis. Use luvas e evite contato direto com a pele.

Procure, em livros ou na internet, informações sobre as borboletas e tente classificar seus espécimens (não é fácil). O Zoológico de Brasília e a Fiocruz têm páginas com muitas informações sobre insetos.