SEARA DA CIÊNCIA
COMO VIVEM AS ESTRELAS

O CONFLITO ENTRE EDDINGTON E CHANDRASEKHAR

Na Inglaterra, o resultado descoberto por Chandrasekhar foi recebido com ceticismo pelos astrofísicos. O mais famoso deles era Sir Arthur Eddington, por quem o jovem Chandra nutria uma profunda admiração. Foi usando os modelos teóricos de Eddington para a estabilidade de uma estrela que Chandrasekhar mostrou que uma estrela com massa maior que 1,4 não podia se estabilizar no estado degenerado de uma anã branca. Mas, Eddington não gostou nem um pouco dessa modificação de seu modelo e declarou isso publicamente. Em uma reunião da Sociedade Real de Astronomia, logo após Chandrasekhar apresentar seu trabalho, Eddington fez uma longa crítica ridicularizando o resultado do indiano. Em certa altura de seu discurso, ele disse:

Sir Arthur Eddington

"Chandrasekhar, usando a relatividade, mostrou que uma estrela de massa maior que um certo M nunca esfria. A estrela segue irradiando e irradiando e se contraindo até que, eu suponho, chega a uns poucos quilômetros de raio, quando a gravidade torna-se forte bastante para segurar a radiação, e a estrela pode finalmente alcançar a paz. Eu acho que deve haver uma lei da natureza que evita que uma estrela se comporte dessa maneira absurda!"

Essa opinião desfavorável e agressiva do maior astrofísico da época deixou Chandra chocado e deprimido. O pior é que praticamente todos os seus colegas astrofísicos deram razão a Eddington, certos de que o jovem indiano tinha cometido algum erro em seus cálculos, já que era essa a opinião do grande mestre.

Desacreditado pelos colegas, Chandra apelou para os grandes caciques da Física, entre eles, Niels Bohr, Wolfgang Pauli e Paul Dirac. Todos apoiaram o resultado do indiano, embora não o fizessem de forma muito explícita, por respeito a Eddington. Decepcionado, poucos anos depois, Chandrasekhar aceitou um convite para trabalhar em Chicago, nos Estados Unidos, onde acabou permanecendo até morrer, em Agosto de 1995.

A teimosia de um grande cientista como Arthur Eddington atrapalhou o reconhecimento do valor de Chandrasehkar e de seu surpreendente trabalho. Só após mais de uma década os astrofísicos começaram realmente a acreditar que o limite encontrado por Chandra estava realmente correto. E apenas em 1983, mais de 50 anos depois da publicação de seu trabalho mais famoso, Chandrasekhar foi agraciado com o Prêmio Nobel de Física.

O curioso nisso tudo é que Eddington deixou escapar por entre os dedos a glória de prever a existência dos buracos negros. Lendo novamente a citação que reproduzimos acima notamos que ele entendeu, corretamente, que a relatividade usada por Chandrasekhar implicava na existência de estrelas que seguram até a luz. Em vez de aceitar esse resultado e desenvolvê-lo até às últimas consequências, ele preferiu fazer pouco do jovem colega. Deu-se mal e bem que mereceu.


Capítulo 8: S. Chandrasekhar e o brasileiro Mário Schenberg.